Mais de 300 quilos de lixo são recolhidos durante ação na Prainha

Mesmo com chuva, equipe do projeto envolveu-se na ação. Foto: Thiago Leão/Orla Sem Lixo

A 1ª Ação de Caracterização do Lixo Flutuante na Prainha terminou com mais de 300 quilos de lixo recolhidos. Os trabalhos ocorreram no sábado (30/04), às margens da Baía de Guanabara, na Ilha do Fundão, e mobilizaram a equipe do projeto Orla Sem Lixo.

A forte chuva não impediu a coleta do lixo depositado no trecho de cerca de 250 metros de orla. Na praia, foram recolhidos 306,96 quilos de resíduos. A maior parte foi classificada como plástico mole, o que inclui, principalmente, sacolas e embalagens plásticas. Os materiais apresentam grande quantidade de areia aderida ou agregada, o que afeta o resultado da pesagem.

Um pescador se dispôs e coletou os resíduos que flutuavam próximo à costa – em geral, plásticos. Foram retirados 12,7 quilos de lixo de dentro d’água. Ao todo, 319,66 quilos de lixo foram recolhidos durante cerca de duas horas de ação.

De acordo com Susana Vinzon, coordenadora do Orla Sem Lixo, a quantidade encontrada ficou abaixo do esperado, mas a ação pode ser considerada um sucesso, pois atingiu o necessário. “Nós visitamos a área durante a semana anterior e, antes da chuva, havia um grande acúmulo de material. Porém, o objetivo era fazer uma coleta para caracterizar esse material que vem flutuando e encalha nas praias”, afirmou.

Os resíduos coletados, de diferentes tipos, foram encaminhados para destinação adequada após o encerramento dos trabalhos. Parte dos materiais plásticos foi destinada para ensaios de reciclagem.

A iniciativa da ação partiu de trabalhadores ligados à Associação de Pescadores da Prainha (APAP) e envolveu também a Associação de Pescadores da Vila Residencial (APALIF). O grupo da APAP tem a Prainha como base para suas atividades e convive diariamente com a grande quantidade de resíduos, que degrada o meio ambiente e dificulta a atividade pesqueira.

Integração de saberes

Pesquisadores do Orla Sem Lixo, pescadores e representantes de entidades que apoiam o projeto participaram dos trabalhos. Integrantes de diferentes frentes de atuação, como Engenharia de Barreiras e Tecnologia Social, engajaram-se junto às comunidades locais.

A união da equipe do Orla Sem Lixo com as associações de pescadores na 1ª Ação de Caracterização do Lixo Flutuante na Prainha reforça um dos diferenciais do projeto: articular os saberes das comunidades locais com os saberes técnicos dos pesquisadores. O objetivo é o desenvolvimento de uma solução viável para o problema do lixo flutuante na Baía de Guanabara.

Galeria de fotos da 1ª Ação de Caracterização do Lixo Flutuante na Prainha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: